domingo, 11 de dezembro de 2011

E vem meu pai Aparecido Berlanga quebrando minhas pernas ao falar de meu irmão...
Pai... Esse é nosso maior exemplo, esse é o nosso maior incentivo pra continuar, porque ele queria continuar, ele queria a nossa felicidade. Por ele, e pra sempre por ele, temos que continuar sorrindo, pai, porque nada foi em vão. Deus nos testou e pegou de volta seu anjo mais puro, o anjo que nos ensinou a ver a vida com outros olhos. O cara lutador e sereno que foi o nosso Márcio, amigo, irmão, filho, tio, companheiro, trabalhador, goleiro... Ele pra sempre será nosso exemplo e nosso amor! E por ele, pai, temos q continuar. Chore, lembre, assim como eu sempre faço, mas no fim, sorria por ele ter sido nosso pelo tempo que foi. Sorria pelas sementes que ele deixou em nós. Sorria por ele ter nos abençoado com a sua presença. Sorria por ele ter nos amado e por Deus ter dado a oportunidade a nós de amá-lo de volta. Porque nós o amamos até o fim. E ele nos amou também... E sempre será assim!!!!

Lembre-se: "DA LUTA NÃO ME RETIRO NUNCA!"
Ele não se retirou...

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

O ENTARDECER NUMA PRAIA

Elaine Cristina Stocco Ficher, com auxílio de Louise Berlanga.
Texto elaborado em 26/10/11, para conclusão de curso supletivo de Elaine C. S. Ficher


Nem todos têm o privilégio de desfrutar de um momento como o entardecer na praia, mas os quem podem apreciar, vêem uma paisagem deslumbrante do pôr-do-sol no horizonte e sentir a leve brisa que vem do mar.
O som das ondas quebrando na praia é um convite para um mergulho. Muitos aproveitam esse momento para fazer suas caminhadas, só ou acompanhados.
Provar das iguarias litorâneas, fazer algum exercício e praticar esportes também faz parte desse vislumbre natural.
Para os românticos, é um momento mágico, pois casais trocam juras de amor olhando ao longe as gaivotas, namoram ao som mais doce do mar e conversam tendo o pôr-do-sol como testemunha.
O entardecer inebria até mesmo crianças, que brincam seguras nas areias, perto de uma absoluta calmaria. Vovôs e vovós apreciam este instante para relembrar bons momentos do passado e curtir o tempo que ainda lhes resta. Acima de tudo, agradecem por ainda presenciar mais um entardecer...
Nesse momento breve e diário, é possível ver a imensidão da força da natureza, pois é onde o sol encontra-se com o mar, tornando a beleza um espetáculo único. Nem mesmo chuvas conseguem esconder, pois o sol está apenas se resguardando para no dia seguinte se orgulhar em nascer novamente.

Em um simples entardecer, por mais rápido que seja, toda uma vida pode ser pensada e repensada, e planos podem ser traçados. É um momento de calma e plenitude e que nos dá a sensação de pureza espiritual. O som esplêndido do oceano, indo e vindo, ora calmo, ora bravo, nos faz fugir de uma realidade incontestável.
Sublime é aquele que consegue unir todas as forças positivas dessa grandiosidade divina, conseguindo esquecer-se de tudo o que é ruim, com os pés fincados na areia, molhando a alma e lavando o espírito. 
 
    O silêncio e o vazio deverão me fortalecer.
  Decidi que viverei conforme meu desejo.
  Chega de promessas não cumpridas. Planos guardados.
  Agora, está mais do que na hora da verdade ficar acima de tudo, e meu amor próprio acima da verdade.
É meu tempo de ser egoísta. Tempo de fazer o que EU quiser fazer.
Essa fase que acabou pode ser temporária, mas com certeza, se voltar a acontecer será de toda maneira DIFERENTE. Terá maturidade, amor até maior que o existente porém mais consciente, haverá companheirismo, amizade e dedicação. Terá realizações e leveza.
Por enquanto, é hora de focar em mim, no que eu quero, no que eu planejo. É hora de saborear um pouco mais a vida no sentido real, com mais comprometimento com o futuro, mais alegrias, mais bem estar, mais bom humor e disposição.
Desejo rir mais, chorar mais de felicidade, sonhar mais (com o pé no chão SEMPRE), dançar mais, apreciar mais, viajar mais, saborear mais. A plenitude de todas essas ações há de me ajudar a virar adulta de verdade.
Sempre deve haver esperança em um peito machucado. E se for com o mesmo personagem, muita coisa deverá ser diferente. Bem lá no fundo desse peito, desejo que assim seja, pois é um sentimento real.
Nada foi em vão. Tudo foi um grande e majestoso aprendizado. Deliciado da melhor maneira possível e impossível.
Das lembranças, quero um lugar feliz e para sempre elas estarão guardadas comigo, no espaço mais bonito que houver em mim.
Pode ser amanhã ou depois, voltaremos de onde paramos para fazer algo novo, mas enquanto isso vou viver a vida como ela deve ser vivida, um dia de cada vez! Isso ajudará a ter calma pra superar as dores e crescer.
Já disse uma vez e repito: para cada lágrima derramada, brotarão dez sorrisos em meu rosto. A cada queda, novos aprendizados virão e nenhum tombo será capaz de me derrotar.


“Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição
Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”trecho da música Pra não dizer que não falei das flores”
 Geraldo Vandré                                         

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

“Preciso me libertar.
Preciso sair desse tormento, arrancar toda essa lamúria do meu peito.
Incessantemente, a cabeça lateja. O peito aperta. O coração chora. Os olhos pesam e encharcam. E cada vez mais e mais...
            Esse sentimento estranho que me encobre e me inebria paira como que se quisesse me possuir por completa, e não me dá espaço pra respirar completamente, não me deixa lutar contra, me faz ficar bêbada de dor e assim, fico sem forças.
            Esbravejo, grito o mais alto que consigo, mas ninguém me ouve. Ninguém me vê. Não sou notada. Estou sozinha.
            Preferia ser invisível. Talvez fosse melhor para os outros.
            Meus fantasmas ecoam aqui dentro, e nada que eu fale ou faça os impedem de entrar. Nada. E com o nada eu permaneço.
            Afinal, só preciso me libertar.
            Só preciso ser eu mesma novamente. Feliz como eu era. Em paz como eu estava.
            O fracasso me domina como se fosse a maior glória. Como se eu fosse uma menininha frágil e incapaz de crescer. E nada faço pra provar o contrário, justamente por não conseguir enxergar uma saída. Isso faz com que eu me sinta uma inútil. Completamente...
            Tento o máximo pra sair desse poço imundo e frio que vivo todo dia, mas algo me puxa pra baixo e não me deixa subir. Escalo a parede arranhando cada centímetro, me machuco a cada queda, mas não deixo de tentar. E tentarei até conseguir me reerguer.
            Não posso simplesmente abaixar a cabeça pra uma minoria que me quer ver sofrendo. Não posso dar a satisfação de mostrar o que querem ver. Não posso alimentar meus inimigos e muito menos, acalentar suas ambições.
            Preciso focar novamente nos meus ideais, nos meus sonhos. E será isso q farei a partir desse instante.
Preciso reaprender a voar pra onde eu quiser.
Eu sou dona do meu próprio caminho."





terça-feira, 16 de agosto de 2011

Não me entender pra me encontrar.


Inexplicavelmente, me sinto perdida onde eu jamais pensaria que fosse possível.
Minha consciência me prega peças inquestionáveis e que me causam blecautes duradouros.
Paraliso diante de mim mesma, como se minha imagem fosse apenas um simples reflexo de alguém desconhecido.
Acabo procurando respostas em lembranças e nada consta nos arquivos. Continuo procurando, procurando, procurando e chego a lugar nenhum. A cabeça gira, sinto náuseas, e a vontade de simplesmente fechar os olhos e sumir toma conta do meu ser.
Evito que me vejam chorando pra que justamente não me perguntem o por que. Não saberia responder...
A angústia que me invade aos poucos é devastadora então me seguro forte em cada pequena coisa que me alegre. Algumas pessoas realmente me entediam e cada vez mais deixo isso transparecer. O que também me angustia. Mas em compensação as pessoas que me alegram e que me fazem tão bem conseguem ter o melhor de mim e tudo de forma muito natural. Um simples telefonema ou um sorriso podem iluminar meu mundo em instantes. São dessas pessoas que preciso estar em contato pra não chegar ao fundo do meu próprio poço.
Neste ambiente que eu vivo, definitivamente, não faço parte. Não me encaixo neste lugar e estou em procura constante de algo que me realize, algo que me deixe plenamente feliz, satisfeita e em harmonia com minhas ambições e planos.
Fico desejando que o tempo passe logo pra que eu consiga sair desse pesadelo, mas o tempo não passa, e a cada nova crise de ansiedade, dores e anseios aumentam fazendo com que o tempo demore mais a passar.
Forço mais um blecaute mental e esse “tic tac tic tac” não me tira daqui. Não me leva à resposta alguma. Mergulho em meus pensamentos mais positivos e lindos pra que alguma solução seja encontrada. Em vão. Pairam apenas imagens bonitas em minha mente. Aí descubro que isso se chama “sonho”.
Mas não quero só sonhar, quero realizar, quero viver cada sonho com cada célula viva de meu corpo, com cada gota do meu sangue, com cada batida do meu coração.
Assim quero viver: tão intensamente quanto meus sonhos. Só isso poderá dar fim a essa espera agonizante.
Poucos poderão me ajudar, portanto prefiro me distanciar de certo modo para que meus conflitos internos não os atrapalhem. Mas o fato é que pra mim não mentirei mais.
Muitas vezes me encontro no meu próprio silêncio, até mesmo quando ele me sufoca. Mas preciso dele pra achar um meio de encontrar caminhos certos pra continuar seguindo em frente. Restabeleço-me num ponto onde eu possa adaptar-me a tudo sem maiores sofrimentos, apenas para poder sobreviver sem maiores conseqüências. Mas a voz que vive a ecoar dentro de mim sempre me convence que tudo isso é temporário, que algo de bom, de muito bom, ainda há por vir.
Anseio e batalharei pelas realizações dos planos pendentes, visto que muitos já alcancei satisfação.  Penso neles e um bem estar grandioso me invade. Para os que ainda faltam? Não demonstrarei mais desânimo e continuarei na luta constantemente. Se fosse tudo tão fácil, com certeza a recompensa não teria graça.
Como dizia meu irmão, parafraseando O Teatro Mágico: “Da luta não me retiro...”
Todo dia é um novo dia. E que cada dia seja melhor que o outro.




terça-feira, 19 de julho de 2011

Faz bem estar bem

 A cada dia que passa me sinto bem comigo mesma. E sinto a verdade de que assim, só atraio coisas boas.
Acho incrível a sensação de felicidade por coisas simples, momentos simples, mas que pra mim têm valor inestimável.
Já me peguei pensando em alguns sentimentos ruins e águas passadas, mas logo me dou um tapa pra acordar. Isso tende a funcionar! Aprendi a perdoar algumas pessoas e mágoas. Deixar o passado pra trás é essencial pra viver o presente e planejar o futuro.
Antigamente, eu me achava fria e incapaz de perdoar. Hoje, mais do que nunca, vi que meu coração pode e consegue fazê-lo, mas infelizmente, decidi que somente as pessoas mais importantes voltariam a ter meu respeito e minha confiança novamente. E assim, viverei tranqüila...
Nesse fim de semana, tive a certeza de ser a mulher mais feliz do mundo. Estava feliz, ao lado de pessoas que me deixam feliz e em especial, estava ao lado de uma pessoa que eu aprendi que deveria perdoar... por amor.
Os motivos que, no passado, me magoaram, não me importam mais. Já chorei e já sofri, mas acima de tudo, já os esqueci. E nada tão grave que eu, em minha banal existência, não pudesse perdoar e seguir em frente.
Não à toa, percebi que algo me faltava para me sentir completa, satisfeita com a pessoa que eu estava me tornando.  Percebi que faltava, na verdade, alguém que pudesse ajudar a me sentir mais viva e mais mulher, meu porto seguro, meu apoio para as horas difíceis. Quando decidi perdoar e seguir em frente, decidi ficar sozinha, o que seria impossível. Não havia percebido que já conhecia a pessoa que me faltava.
 Ceder também faz parte de amadurecimento, e aquela era a minha hora! Cedi certos orgulhos e ganhei mais motivos para viver, mais motivos para sorrir.
Em três dias lado a lado, coisas bem simples me deixavam radiante. Uma soneca rápida no meio da tarde, um passeio tranqüilo, conversas alegres e descontraídas, até mesmo uma música engraçada como sendo “a música de fundo”. Todo e qualquer momento foi grandiosamente único e especial.
Ambos querem só coisas boas para o outro e para si próprio, e ambos planejam o melhor para os dois, JUNTOS.
 Escutar da pessoa o quanto sou importante e o que sente por mim me faz sentir cócegas no peito, mesmo depois de tanto tempo, e é óbvio que o sentimento é recíproco. O reflexo disso é espontâneo e logo, o bom humor me domina.
Transmito para todos o melhor de mim e não só eu, mas todos aqueles que me cercam, ganham com isso.
Agora, é sempre batalhar para sermos melhores do que somos hoje e nunca mais deixar qualquer vacilo prevalecer, pois sabemos que sentimos algo muito maior que baboseiras mundanas.
Parafraseando um personagem infantil: ”Ao infinito e além.” Porque agora será somente esse o nosso objetivo. Pra tudo...

“A vida fica muito mais fácil se a gente sabe onde estão os beijos de que precisamos.” (Mário Quintana)

"Que Deus ouça as preces que lhe dirijo quando amanheço revigorada e anoiteço tranquila. Quando consigo manter uma relação mais gentil com as lembranças difíceis que, às vezes, ainda me assombram. Quando posso desfrutar do contentamento mesmo sabendo que existem problemas que aguardam eu me entender com eles. Quando não peço nada além de força para prosseguir, por acreditar que, fortalecida, eu posso o que quiser, em Deus."



“Pois só quem tem os sonhos mais básicos pode amar e dizer a verdade.” (Cazuza)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A metade do que eu sinto

Texto feito há 2 semanas, mas estava ocupada demais cuidando da minha felicidade...

Por alguns minutos, me peguei admirando a fina chuva caindo calmamente...
(“Gostaria de estar em casa, na minha cama, comendo pipoca e bebendo guaraná..” Esse foi um pensamento da Ariane, minha amiga de trabalho e invasora de textos. Sim, ela escreveu isso no MEU TEXTO!!!!!)
Enfim, nesses poucos minutos consegui ter uma sensação plena de bem- estar e calmaria. Pra mim, esse é um grande prêmio, pois há anos não me sentia assim. Há anos, eu me sentia presa a certos sentimentos que eu julgava necessários e sendo assim, preferi me anular a ter que largar mão deles, preferi não olhar pra mim mesma.
 Ao escutar a chuva, pude fugir por instantes dessa redoma que criei, observando apenas todas as coisas que me fazem bem. Eu havia esquecido delas...
 Havia esquecido que tenho motivos de sobra pra sorrir: eu e minha família temos saúde e ela é perfeita pra mim, mesmo com todas as desavenças que temos e tivemos; tenho amigos que são irmãos e anjos, que sei que posso contar a qualquer hora; não passo fome ou qualquer outra necessidade, e meu lar é minha maior fortaleza.
Havia me prendido a algumas coisas, pessoas e sentimentos por acreditar que me fariam feliz. Não percebi que eu só dependia de uma pessoa apenas: DE MIM MESMA. Precisava estar bem e em paz. Me sinto livre, tranqüila e até mesmo consigo sorrir naturalmente.
Coloquei na minha cabeça que só vou chorar de saudades do meu irmão, pela minha família e de alegria. Essas coisas e momentos sim, merecem minhas lágrimas.
Não vou sofrer por mais ninguém. Quem tem sentimentos bons não sofre e o principal, não faz ninguém sofrer. Aprendi muito nesse tempo, e sei que já fiz alguém sofrer também, mas eu era imatura. Não que eu seja muito adulta hoje (e confesso que nem quero ser, todos devem ter seu lado eterna criança), mas no caso, não tínhamos que ser, e o sofrimento ali foi inevitável.  A partir de agora, só terei sentimentos bons e assim, serei uma pessoa bem melhor que ontem e assim, atrairei o melhor pra mim.
 Talvez eu ainda acredite no amor verdadeiro, talvez não. Mas acima disso, eu começo a acreditar que só eu posso determinar quando começar e quando terminar. Que fique assim mesmo, subtendido.
É, é... já ouvi muito: “ a gente não manda no coração, bla bla bla bla”, mas não concordo com essa afirmativa. Acredito que depois de sofrer muito, a gente passa a ter total controle sobre ele e passa a mandá-lo a ficar bem quietinho e não se manifestar. É preciso muito autocontrole, mas é possível a partir do momento que um pouco de alivio mental e espiritual é alcançado. Se eu consegui, qualquer um consegue também. Basta querer...
Criei, há um tempo, uma espécie de barreira protetora, um muro, pra que eu pudesse ser mais forte e não deixar me levar por impulsos. Até conseguiram derrubá-la por um tempo- e talvez por um bom tempo, digamos infeliz ou felizmente- mas não conseguiram me enfraquecer. Isso só me fortaleceu ainda mais, e tive forças pra reconstruí-la. Preciso apenas me decidir se será mais alta.
Uma vez disse Marcelo D2: “Sou o que sou e ninguém vai me mudar.” Já tentei mudar pra favorecer uma relação, e até percebi que mudei de fato em vários pontos. Mas demorei pra perceber apenas um detalhe importante: eu estava mudando apenas por mim, e isso irá me beneficiar em futuros relacionamentos.
Mas eis aí um detalhe no qual não quero pensar agora. Minha liberdade será aproveitada ao máximo e só farei o que eu tiver vontade de fazer. Chega de feridas!  Demorei pra abrir os olhos, mas agora que fiz, não vou mais fechá-los.
Minha vida não tem extravagância e nem preciso delas. Gosto das coisas simples e atitudes naturais, pois tudo isso contem uma verdade que só quem aprecia reconhece. 

Incrivelmente, voltei a sorrir. Voltei a sorrir com a alma, e mesmo que meu dia tenha sido um desastre, no fim das contas, olho para o meu filho e percebo que minha vida só tem sentido com ele, o que me leva a sorrir mais ainda. Ouço uma música qualquer e canto, não importa onde eu esteja. Saio na sacada e olho pro céu, dia ou noite, sol ou chuva, mas vejo o que há de lindo na natureza e onde eu vivo. Caminho respirando bem lentamente pra sentir o ar em meus pulmões e respirar a minha vida. Tão simples e tão perfeito assim mesmo.
Estou ciente que não posso mais me fechar para novas oportunidades, até porque se “se um amor vai embora é porque outro melhor está por vir.”

Segue um vídeo que a letra da música diz tudo (não curto a banda, que fique bem claro. A letra que é bem expressiva.) 

Também me disseram que quem muito escolhe, merda recolhe. Nunca fui de escolher, e deu no que deu, então também não acredito nessa afirmativa. Serei mais seletiva a partir de agora, porque não quero mais me envolver com qualquer um novamente. A próxima pessoa a querer dividir sua vida comigo conviverá também com meu filho e pra isso, precisará mesmo ser a melhor pessoa. Como saber? Não sei, mas algo me dirá na hora certa. Meu cupido já ficou muito tempo cego, espero que ele possa enxergar.
Estou feliz assim e isso só tende a aumentar. O relato aqui é apenas a metade do que sinto.
Os incomodados que se retirem.




"Às vezes construímos sonhos em cima de grandes pessoas. O tempo passa e descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas pequenas demais para torná-los reais. " Bob Marley

quarta-feira, 16 de março de 2011

Minha maior saudade, minha pior dor

Saudade pode ser sim, representada por mim...
Saudade é o amor que ficou, e a saudade que sinto dele me corrói todos os dias...
Não consigo acreditar que não o verei novamente, que seu olhar e seu sorriso se foram. Só consigo acreditar na ilusão que eu mesma criei (a de que ele foi fazer uma de suas viagens missionárias). Meu coração assim parece sofrer menos...
Minha mente às vezes bloqueia sua voz de minhas memórias, mas dura tão pouco... Logo o som da sua risada ecoa em meus ouvidos. Ah! Aquelas risadas... E é só fechar os olhos que posso ver as cenas como se fosse um filme.
Eu olho em minha volta e nada está como antes, e claro, seria impossível estar. A nostalgia que eu sinto destrói cada centímetro do meu coração, e infelizmente, só consigo chorar. É a resposta da minha negação.
Sinto um frio na barriga enquanto escrevo esse texto, é a sua presença. Demorei mais que o normal pra finalizar, mas porque sempre acabava me sentindo mal e pedindo a mim mesma pra pegar mais leve, dar um descanso pro peito, que palpitava a cada frase. Mas eu sempre senti que ele estava ao meu lado, me ajudando, mesmo quando tentava e tentava, e só conseguia chorar ao invés de escrever.
Que saudades que sinto daqueles olhos mais azuis que o céu num dia limpo, de sol raiando pleno no alto. Olhos profundos, sinceros e humildes, e que fazia qualquer um se render a encantos. Não porque era meu sangue, mas ele era simples como seu olhar. E acima de tudo, extremamente belo. E ele tinha um dom, de tratar a todos da mesma forma, cada qual com sua qualidade, tentando não ver seus defeitos. Ele era aquele que não pensava em si em primeiro lugar, mas no próximo. Suas necessidades eram as últimas coisas a se pensar.  Isso fez dele minha referência.

Nossa mãe era tratada por ele como rainha, mesmo quando ela era alvo de nossas brincadeiras. Tenho a absoluta certeza que assim ele também trataria sua esposa...
Já a nossa relação era um tanto quanto peculiar, mas muito especial. Brigas, carinhos, tapas, sorrisos, socos e companheirismo faziam parte do nosso dia-a-dia, pois era a nossa forma de nos amar. Com a irmã mais velha era exatamente igual.
Nossas brincadeiras eram completamente particulares: poucos entendiam e todos não achavam graça. Mas nós ríamos como se fosse a última coisa a se fazer em vida. Nem mesmo mamãe escapava de nós dois. Claro que havia dias que um não podia nem olhar na cara do outro, mas eram raros esses momentos, uma vez que qualquer acontecimento virava piada (e muitas vezes, até mesmo o mau humor de cada um).
Hoje, são apenas lembranças.

Meu coração se contorce inteiro quando vejo famílias reunidas, em almoços ou festas.
Festas de final de ano não têm mais sentido pra mim, simplesmente não têm mais graça. Na minha família falta uma peça que era fundamental, tornando o vazio perturbador a cada um de nós. Este vazio irá permanecer eternamente.
É uma dor que não cessa, e falar sobre ela parece só abrir mais a ferida, mas é praticamente impossível não falar sobre. Seria como negar tudo o que nos aconteceu, todo o sofrimento, a luta, a esperança, mesmo quando estas escapavam por entre os dedos...
Aí me pergunto: se não íamos conseguir, por que fazer uma pessoa tão boa sofrer tanto? Não só ele, mas todos que estavam a sua volta, rezando e se apegando em algo... Ele mesmo na dor, repetia uma frase do grupo O Teatro Mágico: "Da luta não me retiro. Me atiro do alto e que me atirem no peito. Da luta não me retiro." E eu tentava ao máximo me apegar em cada uma dessas palavras por ele, apenas.
Pouco me lembro daquele dia, mas me forço a esquecer cada segundo, que vira e mexe retorna na memória.
Queria mesmo ter tido a capacidade de arrancar com minhas próprias mãos a maldita que o enfraqueceu. Mas não, isso Deus não deixou.
Deus? Ainda estamos brigados. Enquanto Ele não responder minhas perguntas, não falarei com Ele e ponto final. Agora, quem manda nessa relação sou eu! Já ouvi pessoas me criticando, dizendo que assim Ele me castigaria, mas isso Ele já fez. Ele tirou algo de mim, meu amigo, meu companheiro, meu exemplo, meu irmão. Ele fez minha mãe sofrer dias, meses e cerca de um ano e meio. Sério... nenhuma mãe deve sofrer, assim como um filho também não. Que Pai é esse, me pergunto novamente. E se Ele for Pai mesmo, que se esforce para me ter como filha novamente. Responda minhas perguntas, Você aí em cima!! E de boa, não ligo mais para o que os outros pensem sobre essa minha revolta, porque é como eu disse: essa relação é minha e dEle.
Antes de nossa luta e dor começarem, Deus me deu um presente. Ele já tinha a intenção de arrancar um pedaço do meu coração, mas deu uma pessoa que Ele sabia que me faria feliz, que me daria forças pra enfrentar tudo o que estava por vir. Me deu um outro melhor amigo, mas que hoje e a cada dia q ele cresce, se torna parecido com o tio em várias características, tanto físicas quanto de personalidade e gostos.

Já que estou brigada com Deus, estabeleci que os anjos seriam minha força religiosa, uma vez que venho de uma família católica e não ter religião causaria um caos maior. E definitivamente acredito que hoje o Márcio é um anjo, o nosso Anjão de Olhos Azuis. E assim, ele me protege, me guia, e olha sempre por mim, mesmo que eu não o veja e às vezes não sinta, mas sei que ele nunca me deixa sozinha.
Nesse 1 ano e quase 4 meses, ouvi muito as típicas frases como “Sei o que você está passando”, “Só o tempo cura” e mais um blá blá blá blá blá. A maioria das pessoas que proferem essas frases não sabe mesmo o que estou passando, pois sei que elas não perderam alguém tão próxima assim, não perderam seu amigo e quem era, na maioria das vezes, o alicerce da família. E NÃO, o tempo não cura nem um pouco. Pode sim até amenizar um pouco a dor, mas faz com que a saudade só aumente e se instale cada vez mais, não deixando a ferida cicatrizar. E a maioria dessas pessoas não sabe que na minha cabeça passa várias coisas que eu poderia ter feito e não fiz, o que me deixa bem pior em relação a isso tudo.
Não pude vê-lo vivo antes de ele ir embora, não pude segurar sua mão ou beijar sua careca como ele gostava, não pude enfatizar o quanto eu o amava. Martirizo-me cada vez mais.
PS.: Quando ouço essa música, me lembro instantaneamente dele. Rosa de Saron- Menos de um segundo (Na primeira vez que a ouvi, tive a nítida impressão que tinha sido feita para nós dois. Na segunda vez, eu tive certeza.) 


Sofro também quando não sinto sua presença. Dói violentamente, tento de todas as formas arrancar a dor de mim, mas no fim, em resposta a essa ausência, choro mais ainda.
Não gosto de ir naquele lugar onde colocaram seu corpo. Não é lá que de fato ele está. Cada pedaço daquele lugar me remete as minhas piores lembranças, daquele maldito dia que me obrigaram a dizer adeus ao meu amigo.
Mas eu não consigo – e nem quero- dizer esse adeus...



quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Mais uma homenagem...

Essa música se tornou a nossa, e por mais que não acreditem, ele tenta cantar junto comigo, do jeito dele, claro!
PS.: Mas ele precisa associar a música a algum desenho, no caso, o Shrek... a música está no último filme.
hehehe Paciência, Louise!! Ser mãe é realmente padecer no paraíso!!!


PS.: Esse post para o Pietro postei as 00:41 do dia 03/02/11, e não como está marcado no blog, na quarta...

Três anos...


O dia 03 de Fevereiro de 2008 foi o dia em que descobri o verdadeiro significado da minha vida.
Há três anos, meu coração bateu mais forte. Há três anos, descobri o que é amor de verdade.  Descobri, enfim, que tudo na vida tem seu propósito e mesmo com tantas desavenças, passadas e superadas, fico em paz quando me abraça e me diz “Eu Te Amo”.
É difícil denominar os sentimentos, e infelizmente só quem passou por certa experiência consegue me entender (e quem ainda não passou, desejo de coração que um dia entenda.)
Claro que, por ser humana, tem dias que tudo o que mais desejo é simplesmente desaparecer, apenas por uns instantes. Esse desejo geralmente nasce quando vejo uma parte da parede pintada com caneta, quando vejo algum brinquedo que dei com tanto carinho sendo destruído (arremessado ou esmagado pela sola de algum tênis), quando eu vejo várias marquinhas das várias “tentativas de suicídio” (uma vez que a altura do encosto do sofá não ajuda para que seu feito seja realizado), quando o chuveiro em que ele toma banho – e não por acaso é o mesmo que o meu- parece ter ácido ao invés de água e esse higiênico ato parece ser uma condenação eterna, quando um melão se transforma em bola de futebol e a porta numa trave (com direito até a dancinha comemorativa)... Mas respiro fundo e depois de minutos, começo a rir, afinal, é uma criança explorando o mundo em que vive.

Sua resposta à minha cara brava é sempre um sorriso, e vendo sua luz, não tem como não me enternecer. Logo, a braveza passa. Também já fui criança e sei que dei muito trabalho à minha mãe.
Enterneço-me também quando ele resolve grudar em uma de minhas pernas para que eu não saia para trabalhar, fica me beijando por um tempo (tudo bem que eu sei que muitas vezes é para ter algo em troca, mas me derreto mesmo assim!), quando não consegue dormir sozinho e só consegue alcançar um bom sono deitado ao meu lado na cama.
A cada dia, ele cresce e aprende coisas novas, mas quem na verdade aprende mais com ele sou eu. E aprendo muito mais de mim mesma. Aprendo a ter paciência, discernimento no que posso ou não fazer com e para ele, e hoje eu sei que sou uma mulher muito melhor desde que olhei em seus olhos pela primeira vez.
Confesso que tenho muito medo de que chegue logo o dia em que ele não me dará mais atenção, que seus amigos e namoradas serão mais importantes, e que o verei em raros momentos do dia. Apesar do medo, tenho consciência de que esse dia irá chegar e tudo o que poderei fazer é ajudá-lo e estar sempre a sua disposição pra quando precisar de um ombro para chorar e uma mão firme para ajudar com qualquer problema.


A criação que dou já é livre, e apenas tento fazer de tudo para que ele saiba resolver sozinho seus conflitos e que saiba viver no mundo de acordo com seus sonhos. Filhos não são nossos, são do mundo, e quanto mais cedo nos acostumarmos com a idéia de que eles irão embora, menos dor sentiremos quando esse dia chegar. Estranho pensar assim, contudo é necessário...
O amor, a amizade e a confiança são a base de um relacionamento entre mãe e filho, e assim, distância alguma os separará.
Quando tropecei e cai, quando nuvens escuras me rodeavam, ele estava ao meu lado, me dando forças para levantar, e foi só por ele que fiquei em pé. Seu olhar era – e sempre será- capaz de iluminar a parte mais tenebrosa que existe em mim.
Não há luz mais linda que a luz do seu olhar.
Não há música mais linda que a música de sua voz.
Não há nada mais lindo que o seu sorriso.
Nada, nesse mundo, me faz tão feliz do que sua presença e é por isso que hoje dedico toda a minha vida a ele, pois só ele conseguiu me fazer viver de verdade.
Filho, que o nosso ANJÃO te proteja sempre!
TE AMO!!!